sábado, 9 de dezembro de 2017

NA ESTRATÉGIA SOCIALISTA, ADOTADA PELOS NOSSOS DEMAIS INIMIGOS: UM PASSO ATRÁS, DOIS PASSOS À FRENTE.



Está é a  tática, talvez a mais importante e a mais eficiente da esquerda.
É parte da estratégia socialista.

A mudança da embaixada dos EUA em Israel para Jerusalém.

É fato, que os três presidentes dos EUA, anteriores ao Trump, prometeram a mudança, mas cederam, se acovardaram, ante as ameaças. Clinton, Bush e o Obama, covardes nas suas essências, explicam a tática um passo a atrás, dois à frente?

Terrorismo a única arma daqueles que são chamadas erroneamente de palestinos.
Terrorismo!
Ponto.

Ora o terrorismo, atentados contra a vida e contra o patrimônio não passa de crime, e tal qual os três presidentes citados acima, covarde!

E não é esta a “pauta” colocada na mesa, daqueles que são contrários a mudança da Embaixada Americana para Jerusalém?
Não argumentam eles, como se isto fosse uma pauta diplomática?
Incluindo, a exceção da Tchecoslaváquia, aqueles países ditos livres?

E qual é a realidade desta “pauta”, se não a de COLOCAR AS AMEAÇAS TERRORISTAS COMO LEGÍTIMOS ARGUMENTOS NAS MESAS DAS NEGOCIAÇÕES?!
Se não é incluir o crime, o terror, nas agendas e, principalmente levar a capitulação dos Princípios da Liberdade?

Incrivelmente, com exceções do Trump e dos componentes do seu governo, nós conservadores aceitamos o vil jogo.
Pior! Passamos incontinente na defesa dos inimigos da nossa própria civilização. Escrotos a serviços deles.
Até, infiltrados naquela que embalou o berço da nossa civilização, a Igreja Católica, tem na sua alta hierarquia (desprezível e covarde), incluindo aquele que denominam de líder, agressivos agentes contra os nossos Princípios que são as colunas mestres dos atuais tempos.
Contra a doutrina Cristã!

Um passo atrás.

Mostrar os atentados terroristas como eles são: covardes, e então condena-los.


Dois passos à frente.


Depois de entorpecer as pessoas com as notícias sobre os atos terroristas, então alterar sutilmente a através da mídia dos veículos culturais, imagem do terrorismo para uma visão complacente.
Passo seguinte, aceitar as ameaças do terror, como legítimos argumentos diplomáticos.

terça-feira, 5 de dezembro de 2017

PERCIVAL PUGGINA EM: A ESCOLHA DOS BRASILEIROS DE VERDADE!


http://www.puggina.org/artigo/puggina/quem-e-a-mulher-do-ano/10872


QUEM É A MULHER DO ANO?

por Percival Puggina. Artigo publicado em
 
 Eu sei que os títulos de mulher do ano costumam ser concedidos para celebridades do meio artístico, dos palcos, das câmeras e das passarelas. Isso tem muito a ver com a superficialidade das relações sociais, vulgarmente incapazes de avançar um milímetro sequer sobre as aparências. Ao afirmá-lo, não estou emitindo juízo de valor sobre quem quer que seja.
Já quando olhamos ao nosso redor, provavelmente todos temos a quem outorgar esse destaque. Num círculo mais estreito de relações, onde conhecimentos e sentimentos são mais profundos, quase sempre há alguém que é, a um só tempo, rainha, deusa, leoa, obreira infatigável de incontáveis tarefas, pessoa de vontades contidas e interesses postergados, primeira e espontânea oferta no altar dos sacrifícios. Meu louvor, meu apaixonado louvor à essa multidão anônima de mulheres do ano!
Ao pesquisar no Google sobre a mulher do ano de 2017, vejo tantas referências à cantora Anitta, que não posso deixar de dizer: tal escolha constrange a nação. É sintoma de que o torneado do corpo se impõe ao torneado da alma, e que as formas obscurecem a beleza e a nobreza das virtudes.
Neste ano de 2017, ninguém se ergueu acima de Heley de Abreu Silva Batista! Foi ela que entrou em luta corporal com um louco incendiário. Foi ela que retirou 25 crianças de uma creche em chamas, salvando-as de morrerem no trágico acontecimento do dia 5 de outubro em Janaúba MG. Horas depois, não resistindo às queimaduras, Heley morreu.
Em João 15:13, numa alusão ao que viria a acontecer consigo mesmo, Jesus diz: "Ninguém tem maior amor do que aquele que dá a vida pelos seus amigos". Amor supremo, cuja imposição vem do coração e chega à superação dos mais naturais instintos humanos. Quando enunciou o mandamento do amor, Jesus disse que devemos amar o próximo "como" (tanto quanto) a nós mesmos. Ele não nos exige o que Ele fez. Ele não pediu a Heley o que Heley realizou. Ela agiu voluntariamente. Amor ao próximo além do amor próprio é altruísmo, virtude das almas mais nobres, dos santos, dos heróis, dos que se erguem à reverência de todos nos altares, nos monumentos e nas páginas da História.
Por isso, quando a agenda de 2017 começa a buscar na prateleira seu lugar ao lado das precedentes, eu me uno aos que escolhem Heley de Abreu Silva Batista e digo: Professora, este ano não tem para mais ninguém! Dê um abraço em Jesus por mim.
________________________________
* Percival Puggina (72), membro da Academia Rio-Grandense de Letras, é arquiteto, empresário e escritor e titular do site www.puggina.org, colunista de dezenas de jornais e sites no país. Autor de Crônicas contra o totalitarismo; Cuba, a tragédia da utopia; Pombas e Gaviões; A tomada do Brasil. integrante do grupo Pensar+.



domingo, 3 de dezembro de 2017

TRUMP ROMPE COM O ACORDO DO "PACTO MUNDIAL" COM A ONU

Finalmente, depois de décadas, um país no mundo, tem um líder de VERDADE!

ABORTO E O CAPITAL ESTRANGEIRO: O DINHEIRO, A GRANA, O TUTU, A BUFUNFA, O BAGAROTE, A GAITA, O BAGO, A ERVA, ...

...ENFIM, A CORRUPÇÃO, A DECADÊNCIA MORAL.

O ASSASSINATO EM SÉRIE DE CRIANÇAS!



Levantamento, Trabalho e fonte de Bernardo P. Kuster - https://www.youtube.com/watch?v=AK5Atun4tyM


sábado, 25 de novembro de 2017

MERECEMOS UMA NAÇÃO?


É correto a justiça (STF) praticar imoralidades que carregam o germe do crime?
É sábio o povo que aceita isto impavidamente?

A manobra do Dias Toffoli pedindo “vistas” para o processo que tramita no STF, visando restringir o Foro Privilegiado aos políticos, não é outra coisa, se não algo próxima a imoralidade criminosa.
Tentar manter o Foro Privilegiado, que se abolido colocaria ponto final na proteção  dada aos criminosos políticos, especialmente os ex-presidentes Lula, Dilma, Temer, Collor e Sarney, além dos seus lacaios, a Gleisy Hoffmann, Dirceu, Renan, Eduardo Cunha, Sergio Cabral e aí vai.

Mas não é a tentativa do STF na figura do Toffoli o fato preocupante, mas sim, a aceitação resignada da população.
De nós, brasileiros.
Resignação tão ou mais criminosa do que os crimes dos imorais políticos.
Acolhendo o “tapa na cara”, aceitando, e pior, já acostumados com as bofetadas, simplesmente, demonstramos falta de fibra.

De Caráter!
Nem é 2018, e, inacreditavelmente, já pressinto a consagração dos criminosos, via a eleição 2018.
E finalmente, o STF reconhecido como o refúgio oficial da corriola.
Assim será o desfecho, continuando como está.
Fato consumado?
Então, não merecemos a Nação!